Sigma 21

A verdade esta lá fora!

Água em pó — 19.08.2013

Água em pó

Enquanto a ONU afirma que a maior parte da água usada no planeta vai para a irrigação, pesquisadores estão desenvolvendo uma série de ideias para fazer render mais a água utilizada na agricultura.
Nas últimas semanas, muitos se empolgaram com um produto que afirmam ter potencial para superar o desafio global de se cultivar em condições áridas.
Denominado “Chuva Sólida“, ele é um pó capaz de absorver enormes quantidades de água e ir liberando o líquido aos poucos, para que as plantas possam sobreviver em meio a uma seca.
Um litro de água pode ser absorvido por apenas 10 gramas do material, que é um tipo de polímero absorvente orginalmente criado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês).
Nos anos 1970, o USDA desenvolveu um produto superabsorvente feito de um tipo de goma. Ele foi usado principalmente na fabricação de fraldas.

Mas um engenheiro químico mexicano chamado Sérgio Jesus Rico Velasco via no produto um potencial que ia além de deixar bebês sequinhos.
Ele então desenvolveu e patenteou uma versão diferente da fórmula, que pode ser misturada com o solo para reter a água.
O engenheiro vem vendendo a “Chuva Sólida” no México há cerca de 10 anos. Sua empresa afirma que o governo mexicano testou o produto e concluiu que a colheita poderia ser ampliada em 300% quando ele era misturado ao solo.
Segundo Edwin González, vice-presidente da empresa Chuva Sólida, o produto agora vem atraindo um interesse cada vez maior, já que crescem os temores por falta de água.
“Ele funciona encapsulando água e pode durar 8 a 10 anos no solo, dependendo da qualidade da água. Se você usar água pura, ele dura mais.”
A empresa recomenda usar cerca de 50 quilos do produto por hectare (10 mil metros quadrados), mas essa quantia custa cerca de US$ 1.500 (o equivalente a R$ 3.500).
Segundo Gonzalez, a “Chuva Sólida” é natural e não prejudica o solo, mesmo após ser usada por vários anos. Ele afirma que o produto não é tóxico e que, ao se desintegrar, o pó se torna parte das plantas.
‘Sem evidências’
No entanto, nem todos estão convencidos de que a “Chuva Sólida” é uma solução válida para o problema da seca. A professora Linda Chalker-Scott, da Universidade do Estado de Washington, afirma que esses produtos não são novidade.
“E não há evidência científica que sugira que eles armazem água por um ano.”, disse ela à BBC. “Outro problema prático é que esse gel pode também causar problemas. Isso porque à medida que eles secam, ele vai sugando a água ao redor dele mais vigoorosamente. E assim ele desvia a água que iria para a raiz das plantas.”
Segundo ela, usar adubo de lascas de madeira produz o mesmo efeito e é significantemente mais barato.
González, no entanto, tem uma opinião diferente: “Os outros concorrentes não duram três ou quatro anos. Os únicos que duram tanto são os que usam sódio em suas formulas, mas eles não absorvem tanto.”
Apesar do fato de que a ciência ainda não estar totalmente confiante nos benefícios de produtos como esse, González afirma que sua empresa recebeu milhares de pedidos vindos de locais áridos, inluindo Índia e Austrália. Ele também recebeu encomendas do Reino Unido, onde secas não chegam a ser um problema.

Fonte: UOL

Apagão no Brasil – Teoria I — 12.11.2009

Apagão no Brasil – Teoria I

apagao

Na noite do dia 10/11/2009, por volta das 22h00, todos os grandes centros do Brasil se viram na escuridão. Dentre eles estão o estado de São Paulo e Rio de Janeiro, juntamente com outros estados. Além dos afetados no Brasil, tivemos vizinhos estrangeiros.

Entre os responsáveis por isso, o mais dito, foi o fato de o incidente ter sido causado por uma tempestade de raios. Porém boa parte de história não foi contada.

Há uma semana, no jornal “60 minutes” do canal americano CBS, um ex-hacker black-hat, Kevin Poulsen, afirmou que o Brasil estaria sujeito a ataques de hackers em seu sistema elétrico e, como sempre, o governo brasileiro juntamente com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, negam completamente a possibilidade. Porém, a verdade pode ser dura para todos os brasileiros.

Ao ver a possibilidade, procurei analisar se realmente seria possível adentrar no sistema de gerenciamento elétrico do país. Até então, não conhecia nada sobre o assunto, porém ao analisar algumas noticias, percebi que um dos principais órgãos a gerenciar a energia é o Operador Nacional do Sistema (ONS).

Continuar lendo