É de conhecimento de todos que na Copa de 2006, a festa que a mídia fêz na concentração da Seleção Brasileira durante toda a Copa, também patrocinada pela publicidade da Nike e sobretudo pela Rede Globo, ajudam a explicar o fiasco da seleção. Não é de hoje que a Globo, em nome de seu Ibope e interesses empresariais, “atrapalha” os jogadores com a “conivência” do presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

A seleção com o Dunga pode até não ganhar a Copa, mas, esperamos que a seriedade e limites que vem colocando ao dominio histórico da mídia local na escalação dos jogadores e controle dos movimentos da seleção é muito positiva e esperamos que seja preservado por técnicos futuros, e que os interesses ligados a seleção sejam efetivamente aqueles dos 200 milhões de torcedores brasileiros e não os historicamente submetidos à Globo e Cia.

Por conta de um acordo feito “por baixo do pano” com o Ricardo Texeira, desafiando a autoridade do Dunga, seriam feitas entrevistas exclusivas para o Fantástico depois do jogo contra a Costa do Marfim, que o Dunga vetou na hora, o treinador brasileiro quase foi suspenso pela FIFA por hipotéticas ofensas ao preposto da Globo, Alex Escobar, o que teria deixado a Seleção Brasileira sem comando e com resultados previsíveis no torneio, já que a Copa só está começando. O “conchavo” da Globo com o Ricardo Teixeira foi noticiado pela Folha/UOL (22/06/2010) a partir de “apuração” do jornalista do UOL Esporte Maurício Stycer.

Como vê, a Rede Globo mostrou a sua cara e deixou muito claro quais são os seus reais interesses que, pelo visto, não teem nada a ver com o dos torcedores brasileiros e do Brasil. Portanto, apesar de toda onda que a Globo faz na transmissão da Copa, já deu para perceber que não parece que estamos – ela e nós torcedores – querendo a mesma coisa, o sucesso do Brasil e o Hexa. Pense nisso! Outros canais de televisão tambem estão transmitindo os jogos da Copa.

Anúncios