“Tendo observado médicos das unidades de emergência ressuscitarem pacientes em coma, ou cirurgiões lutando por horas para manter a vida de vítimas sérias de acidentes de carro, eu não concordaria que ‘toda’ a medicina está na idade das trevas”, disse Dr. John Martin. Porém, muitas são as vozes que argumentam que há uma essência maligna nas firmas farmacêuticas, no Centro de Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) e no Centro para Controle de Doenças (CDC), as duas organizações mais poderosas, nos EUA, que controlam e dominam o mundo da medicina no Brasil e em todos os outros países. É importante enfatizar que as mesmas pessoas que estão envolvidas economicamente com as firmas farmacêuticas, trabalham no FDA e no CDC. A despeito da luz brilhante de dedicados médicos das unidades de emergência e UTIs, a medicina alopática ocidental está mergulhada numa era de escuridão de pensamentos e ações que será lembrada com vergonha por muitos séculos à frente.

A medicina moderna está numa era de trevas e o FDA está no centro dessa escuridão. “O que mais me incomoda é que as pessoas pensam que o FDA as está protegendo. Não está. O que o FDA está fazendo e o que o público pensa que ele está fazendo são duas coisas bem diferentes, como dia e noite”, escreveu Dr. Herbert, diretor do FDA. Muitas pessoas acham que a medicina começou a deixar sua própria escuridão para trás quando finalmente se ouviu Ignaz Semmelweis, em 1844, provar que o fato dos médicos lavarem suas mão e se manterem asseados preveniria a infecção e morte de mulheres durante o parto. Por seus esforços, Semmelweis foi demitido do hospital em Viena e, apesar de publicado, seu trabalho foi totalmente ignorado. No século vinte, o governo, grandes empresas e a medicina formaram um time para criar uma sujeira que levará todo o século vinte e um para limpar.

Olhando a história recente, percebemos a direção que a medicina e as indústrias farmacêuticas começaram a tomar quando companhias como a Bayer (naqueles tempos chamada IG Farben), na Alemanha, começaram a construir e administrar locais como o campo de concentração de Auschwitz. Na Alemanha nazista os hospitais eram rotineiramente utilizados por médicos para matar centenas de milhares de indesejáveis, preparando a equipe médica para horrores ainda maiores nos campos de concentração. Após o Julgamento de Nuremberg, o terrorismo médico e farmacêutico ficou oculto e somente aparecia aos nossos olhos quando erros dramáticos eram cometidos. Mas agora, sessenta anos depois, os erros têm sido muito grandes, e a única forma de manter o status quo do sistema médico/farmacêutico é a negação total de suas barbaridades – mesmo quando milhões de pais, pelo mundo afora, choram seu desespero pela epidemia de autismo, por exemplo.

Hoje, a podridão em que a medicina alopática se tornou é vista em várias áreas e é sustentada pelas mentiras e decepções que as autoridades médicas e a mídia propagam. Tais mentiras obscurecem a luz da verdade ainda manifestada através de muitos médicos e enfermeiras dedicados. Essas são alegações sérias, mas os fatos provam sua veracidade. A primeira grande mentira, que está sendo exposta por muitos cientistas e médicos ao redor do mundo, gira em torno da AIDS e seus coquetéis, que têm uma taxa de mortalidade de 100 por cento. A medicina moderna está assassinando milhões de pessoas, enquanto o governo e a mídia gritam para gastar mais bilhões de dólares em drogas que de fato, aceleram a destruição do sistema imunológico sem atuar sobre os fatores endotoxológicos pré-existentes que causaram o desenvolvimento da doença.

O tratamento do câncer será, mais cedo ou mais tarde, colocado na mesma categoria que as lobotomias frontais, pois claro está que a guerra contra o câncer está perdida porque a medicina está perdida. Quimioterapia e radioterapia representam a pior abordagem ao câncer e ainda assim, devido à sua rentabilidade, o campo da oncologia tornou-se um tipo de fraude que leva milhões a mortes horríveis. Não deveria ser nenhuma surpresa que muitos oncologistas se recusariam a receber quimioterapia se eles desenvolvessem câncer e alguns médicos são conhecidos por se recusarem a inocular seus próprios filhos com vacinas, mesmo continuando a administrá-las a seus pacientes.

Ainda pior são os pediatras, que estão sujeitando recém-nascidos a algo que o mundo nunca viu antes em sua longa história de barbaridades. As mesmas pessoas que por décadas recomendaram fórmulas alimentares para bebês, ao invés de leite materno, estão agora injetando bebês recém-nascidos, em seu primeiro dia de vida, com uma das mais perigosas vacinas conhecidas pelo homem, a vacina da hepatite B – apesar de não haver nenhum estudo científico de longo termo que certifique aos pais a sua segurança e não haver nenhuma necessidade racional para as crianças receberem essa vacina. Os médicos desses bebês preferem violentar a vulnerabilidade dessas crianças a olhar diretamente para a podridão que a sua medicina se tornou. O que a medicina faz para os adultos é uma coisa, porque adultos deveriam saber no que estão se metendo, mas os bebês são inocentes e vulneráveis. Algumas valentes enfermeiras escolares e outros profissionais deram um passo à frente e tentam alertar a comunidade sobre o que essas vacinas contra hepatite B estão fazendo às crianças. Mas os seus gritos estão caindo em ouvidos surdos. Tal é a natureza da medicina em sua era atual de escuridão. As autoridades médicas não podem mais escutar ao chamado da verdade.

É claro que há muitas outras áreas onde a escuridão de pensamentos e atos prevalece na prática médica dos dias atuais. Há muitas questões, como o fato do aspartame estar sendo empurrado dentro de milhares de produtos e a medicina não ter dito nem uma palavra a respeito. “A existência de doenças causadas pelo aspartame continua a ser negada pelo FDA e entidades corporativas poderosas. Entretanto, a magnitude deste problema deveria levar à proibição da utilização deste químico, como uma eminente ameaça à saúde pública”, escreveu Dr. H.J. Roberts. Tão grande é a dependência à medicina química que os médicos perderam sua habilidade de perceber que químicos agressivos são perigosos à saúde humana. Desde o açúcar, flúor, pesticidas, herbicidas, hormônios bobeados nas galinhas e bifes, os horrores químicos da produção moderna de laticínios, remédios, conservantes em alimentos, produtos de limpeza doméstica, vacinas, alimentos refinados em geral, tudo o que não é natural tornou-se normal e a medicina ocidental se pergunta por que as pessoas estão se tornando mais e mais doentes. A medicina alopática tornou-se apenas mais um jogador no grande genocídio químico da espécie humana.

O que nós podemos esperar da era de trevas da medicina a não ser, como Dr. Howenstine coloca, que “A medicina tornou-se contaminada”? É realmente um grande problema, pois as pessoas estão capturadas pela medicina e a aceitam cegamente, como se ela fosse uma nova religião – quando ela na realidade é o maior engodo já forjado por capitalistas imorais que tomaram seu controle, há cem anos atrás. É fundamental entender que os cuidados com a saúde estão quase que completamente sob o controle das indústrias farmacêuticas e a função primária do FDA é assegurar a rentabilidade das firmas farmacêuticas, indústrias químicas e dos grandes conglomerados de agricultura.

Até que a Era da Trevas da Medicina termine, milhões e milhões serão levados cegamente às câmaras de massacre dos hospitais e clínicas médicas por todos os cantos. É um fato conhecido que nos Estados Unidos 250 mil pessoas perderão suas vidas devido às práticas médicas, e esses números representam estatísticas conservadoras. Essa escuridão planejada tem sido tão bem sucedida que as massas são completamente enganadas e não há mais necessidade dos trens da morte dos nazistas, campos de concentração e câmaras de gás. As pessoas entram nesse horror médico por sua própria e livre vontade e, em sua ignorância, sujeitam mesmo suas crianças a uma forma de violência médica (as vacinas) da qual muitas nunca vão se recuperar.

As autoridades médicas chupam o dedo enquanto a ocorrência do autismo se agiganta entre a população jovem e agora, ao invés de trabalhar para mudar qualquer coisa, os médicos, psicólogos e educadores tentam conter essa maré de problemas entre as crianças com ainda mais drogas e vacinas. Mudanças, infelizmente, somente virão com a confrontação, com a verdade sendo comunicada em círculos cada vez maiores e de forma ainda mais forte e direta. Tal confrontação é uma forma de amor, que é ao mesmo tempo compassiva e dura. A falha em confrontar a escuridão da fraude e da falsidade é um ato de covardia e medo, ou mesmo egoísmo. A confrontação do que se tornou a religião da medicina pode ser o mais alto exercício e demonstração de amor, pois o propósito disso é parar com os sofrimentos e mortes desnecessárias de milhões de pessoas.